AtualidadesOpinião

LGGBDTTTIQQAAPP

Junho é o mês do Orgulho LGBT. No dia 28 comemora-se o Dia Internacional do Orgulho LGBTQIA+. Neste dia, em 1969, ocorreu a Rebelião de Stonewall, em NY, onde gays, lésbicas, travestis e drag queens enfrentaram policiais em um episódio que é considerado o marco-zero da luta pelos direitos LGBT nos EUA e no mundo.

A idéia original seria a conscientização da população sobre a “importância do combate à homofobia e a transfobia para a construção de uma sociedade livre de preconceitos, independente da orientação sexual e identidade de gênero.

Corte para um flashback na minha infância na década de 70:

As Sufragistas ( filme de 2015)

O grande tema de discussão naqueles anos da minha infância era o feminismo, a igualdade de direitos e oportunidades entre homens e mulheres. Só que para mim, na minha família, esse sempre foi um não-assunto. Explico: minha mãe sempre trabalhou, teve uma carreira sólida e respeitada, era independente financeiramente e tudo na minha casa era dividido e decidido igualmente entre meus pais. Não havia uma hierarquia entre eles nas decisões. Assim, igualdade entre homem e mulher era um não-assunto porque para mim isso sempre foi o normal, o esperado, o óbvio.

Mas, depois percebi que o que acontecia na minha casa era uma exceção. Na época, poucas mulheres tinham esta independência finaceira e reconhecimento profissional, que foi algo evoluindo ao longo do tempo. E, isto no mundo ocidental, onde até mesmo o direito ao voto teve que ser conquistado ao longo de décadas. Atualmente, em grande parte dos países da África e Ásia, ainda ocorre esta discriminação, mulheres não tendo a igualdade plena de direitos e independência de decisões em relação aos homens.

2021:

Hoje, 6 de junho de 2021, ocorre pelo 2º ano consecutivo, apenas como evento virtual, a tradicional Parada do Orgulho LGBT de São Paulo . No último evento presencial pré-pandemia, em 2019, estima-se que 3 milhões de pessoas participaram do evento. É um dos mais esperados e lecrativos eventos para a indústria turística paulistana, junto com o GP da F1 e o carnaval.

3 milhões de pessoas. Convenhamos que adquiriu um porte que deixou de ser apenas uma pequena minoria e passou a representar uma parcela considereavel da sociedade.

Na minha opinião, assim como me referi ao feminismo, a orientação sexual e identidade de gênero das pessoas, também deveria ser um não-assunto: faz parte do pacote de direitos individuais de cada um, que diz respeito apenas a ele e deveria ser algo absolutamente tratado como algo normal, esperado, óbvio. Em outras palavras, não deveria ser da conta das outras pessoas com quem cada um se relaciona.

Porém, também usando o feminismo como referência, isso não acontece. Ainda ocorre preconceito, discriminação, ofensas, agressões e o pior, a não aceitação por parte de seus familiares , círculo de amizades ou em ambiente profissional.

Assim como as mulheres, ao longo da história, precisaram “lutar’ para conquistar o obvio direito de serem tratadas como iguais aos homens, atualmente uma das principais agendas do mundo é este movimento para que orientação sexual e identidade de gênero também não seja um fator discriminatório.

Só que é aqui que começa a ocorrer uma diferenciação entre estes 2 movimentos, a maneira como ocorre esta “luta”, que é o tema principal deste texto que você está lendo.

LGGBDTTTIQQAAPP:

Você leu certo o que escrevi. Não foi um gato que ficou batendo aleatoriamente no teclado até digitar as letras LGGBDTTTIQQAAPP.

Atualmente, o nome mais usado e aceito do movimento é LGBTQIA+.

Mas, no exterior, já vêm sendo utilizada como sigla para nomear este movimento a sopa de letrinhas que é o título deste post. As letras representam os termos da lista a seguir:

  • Lesbian
  • Gay
  • Genderqueer
  • Bisexual
  • Demisexual
  • Transgender
  • Transsexual
  • Twospirit
  • Intersex
  • Queer
  • Questioning
  • Asexual
  • Allies
  • Pansexual
  • Polyamorous

Não vou definir o que é cada termo. Quem tiver interesse pode achar aqui.

A causa anti-discriminação é justa, séria e urgente.
Mas não há interesse na militância radical em criar qualquer tipo de simpatia para conscientizar o grande público, não priorizam esclarecer, mas sim se afastam cada vez mais das preocupações reais . Priorizam o conflito, não o consenso.

Vou destacar 2 pontos, que acho os principais e os mais errados nesta estratégia, se é que possa ser chamada assim.

O menos importante é a perda de tempo, energia, foco com assuntos absolutamente secundários que atraem a antipatia do grande público. Atitudes lacradoras como querer impor para toda a sociedade seu dialeto que simplesmente não funciona como linguagem falada, neutralizando gêneros e exigindo a adoção da “linguagem inclusiva”, com o uso de palavras como “alunxs” ou “alunes”, “amigxs” ou “amigues” e similares.
Isso em termos de linguística é uma aberração.
É sinal de pessoas que simplesmente ignoram o contato humano direto, pois é uma forma de comunicação que só funciona através de textos.
É se afastar do Mundo Real.
Pior: transforma a causa numa piada no mundo real!

O que nos leva ao 2º ponto, que é o mais importante.

Branding:

Branding  é uma estratégia de projetar a identidade de uma marca. Seu objetivo principal é despertar sensações e criação de conexões fortes, confiança e empatia nas pessoas, para se alcançar os objetivos estratégicos planejados.

Feminismo é feminismo. Ponto. Engloba todas as demandas das mulheres. Existe a unificação de objetivos, de público-alvo.

Já uma sigla formada por um acrônimo enorme que constantemente é atualizada, com o acréscimo de novas letras, que precisa ser explicada constantemente, é inútil.

Pior, ela explicita aquilo que justamente pretendem combater: a Discriminação.

Dentro do movimento, se cada uma das orientações sexuais, se cada uma das identidade de gênero, exige que seja explicitado o quanto é única e especial, com a criação de mais e mais definições, com sua respectiva letra na sigla, transmite para a sociedade a desunião que ocorre entre si. Que L se diferencia de G que não quer ser confundido com B que é diferente de T e por aí vai.

Se perde o foco, se perde a força e aquele publico enorme da foto da Paulista deixa de ser uma potência de 3 milhões e passa a ser vários sub-grupos de 100 mil. Ainda é representativo? Sim, é. Mas com muito menos peso.

Atualmente, mesmo dentro do movimento existe um patrulhamento entre esses sub-grupos. Recentemente, na última edição do BBB, foi marcante a divisão e discriminação entre um grupo dos participantes homossexuais, contra um outro, por ser bissexual. Praticaram aquilo que justamente mais criticam na sociedade como um todo: a intolerância.

A mensagem que transmitem é que a única pauta absolutamente unânime é que acham que os heterossexuais, fora do movimento, são “reaças conservadores homotransqueerfóbicos“.

Se você chegou até este ponto do texto, quero agradecer sua atenção e recomendar a leitura de outros 2 textos daqui do Papo de Boteco, do Márcio Hervé, que também escreveu sobre o mesmo assunto, mas com muito mais verve e qualidade:

Finalmente, dedico este post à memória do ator Paulo Gustavo, que “foi muito mais importante para a luta pela mudança de costumes do que muitos que se dizem “militantes” mas que, com sua fala raivosa e cheia de mágoas, acabam por gerar reações no mesmo nível.

Gui

Sou o Gui. Fiz arquitetura, pós em marketing, MBA em comércio eletrônico. Desde criança , quando adorava ler Julio Verne, eu gosto de explorar, descobrir novidades. Aqui no Papodeboteco vou conversar contigo sobre descobrir como podemos explorar nosso tempo livre.

Artigos relacionados

Um Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
%d blogueiros gostam disto:
Send this to a friend